Friday, January 24, 2014

excertos

às vezes me sinto virando pedra
mas quando te encontro
se sou pedra, sou toda porosa

Thursday, January 23, 2014

alonso! oi, voltei de férias. ah, bem-vinda! foi tudo bem? foooi. tô ligando só para avisar alguém. faz muito bem.

marés

não diga nada. acompanha-me. é mesmo grande o silêncio; concordamos sem precisar de confirmação. entre falar ou calar, você ou eu. maré.
que agora venha um som sobre essa pausa. fale um pouco. sua boca é bonita se movendo; também.

Monday, September 16, 2013

infância

a vaca furiosa chamada Colina. a égua Borboleta: dócil, branquinha, uma competidora na juventude. a horta, o pomar, as galinhas, os porcos. toda fazenda de café era igual. mas a fazenda da minha imaginação é esta descrita pela minha avó.

Sunday, September 15, 2013

domingo no parque

— foi um gigante que assoprou a nuvem que se espalhou e chegou lá na lua.

— parece a cauda de um pavão!

Monday, August 12, 2013

a sucessão das coisas #5

março de 2009

"as coisas sempre mudam
mas a cada momento
são absolutas"

Thursday, August 8, 2013

arquivo

— vou te contar mais uma qualidade sua que eu percebi.

— hm

— vc só fala o que interessa.

Saturday, July 27, 2013

dizia que anos atrás seu sorriso era maior. mais solto.
que tinha muita risada em todos seus almoços.
de tempos em tempos, novos apelidos eram inventados e nunca faltava motivo pra brinde.
e hoje?
hmmm. talvez hoje seja igual.

Thursday, July 25, 2013

despensa

minha despensa é também um quartinho de bagunça. sou a única moradora da casa, a despensa é só minha e a bagunça também. o interruptor da lâmpada incandescente que tem lá fica meio escondidinho atrás da porta. ninguém costuma encontrar com facilidade o interruptor além de mim.
gosto de entrar na despensa e ficar um pouquinho no escuro porque respeito o silêncio e a escuridão em que vivem as coisas nesse mini-quartinho. e sei direitinho onde está o interruptor, o que me dá a segurança de que a qualquer momento posso quebrar o escuro. tem um telefone com fio que eu acho bonito mas não tenho necessidade de usar. tem uma caixa em que vou transportar meu projetor se um dia eu me mudar e que por enquanto contém álbuns de fotografias que eu não faço questão de olhar. tem uma gaiolinha onde transporto meu gato - coisa que fiz umas cinco vezes, o pé de uma luminária horrorosa que ainda não dei, uns papéis de diversas gramaturas, o manual de instruções de um gravador portátil, umas lâmpadas pisca-pisca que uso nas minhas festas de aniversário, muitas fitas coloridas guardadas para serem reaproveitadas, uma bolsa de ferramentas com poucas ferramentas. tem uma cortiça horrorosa, velha. por que eu não me desfiz disso? ah, é uma despensa ali também... então tem saco de arroz, saco de feijão, de milho pra pipoca, caixas de macarrão, uma garrafa de suco, uma cerveja cara numa lata importada, uma lata de tomate pelati, uma mistura pronta de pisco sour provavelmente tão ruim que vai perder a validade sem que eu tenha provado e umas outras coisas que demoram para estragar. é confortável a minha despensa.

Monday, June 24, 2013

Wednesday, June 12, 2013

amparo

uma palavra que quero esmiuçar.

Sunday, February 24, 2013

princípios

gosto de ler textos de trás para frente: surpreender-me com começos.

Wednesday, February 20, 2013

tá tudo perfeitamente listado
item por item revisado
e o armário arrumado

ficou pronto no horário
ou dois minutos adiantado

sem você sou bastante careta.

mas saem umas rimas. ufa.

Wednesday, December 26, 2012

a companhia do viajante

o viajante coleta imagens, sabores e aromas inéditos.
ao fim de cada jornada, o repouso dos sentidos: exaustos e plenamente satisfeitos, ansiosos pelo próximo dia.

na mesma velocidade e intensidade em que evolui seu encantamento, sua curiosidade e seu conhecimento, se aproxima a saudade.

na calefação automatizada do quarto impessoal -que seus objetos e bagagem tornam pelo menos um pouco familiar-, sobre a cama, sob o edredon branco, o viajante chora de saudade.

não são lágrimas que o corpo expele.
escorrem dos olhos do viajante as águas azuladas do rio tevere, esverdeadas do rio arno, suaves da chuva de florença. escorrem as tintas ocre e terracotta das casas, pigmentos dourados do giotto, caracóis e flores de botticelli, gotas de chianti, porções de gelato. derretem-se a partir de seus olhos peças de mármore, tijolos envelhecidos, couros macios.
sementes de oliveira brotam em seus olhos, criam raízes que se espalham pela cama, descem até o piso do quarto, perfuram o piso e fincam a saudade na terra úmida do país visitado.

tudo aquilo que o viajante quer compartilhar transborda a partir de seus olhos neste choro mágico.

choro este que ele transforma em uma tinta multicolorida com que pinta o primeiro cartão postal.

priority - via airplane.

--
firenze, toscana, italia
27/12/2012
01:24

Friday, November 9, 2012

amor e liberdade

porque sou livre, amo.

amo porque sou livre.

______________________________

for i'm free, I love.

I love because I'm free.

Saturday, October 6, 2012

do livro de cabeceira

Sou indefectivelmente eu mesmo, e é nisso que sou louco: eu sou louco porque eu consisto. 

Barthes, R. | fragmentos de um discurso amoroso | verbete: Louco

Friday, October 5, 2012

tradução

é a busca de uma EQUIVALÊNCIA.

"street nunca será RUA" (mário de andrade)

Monday, October 1, 2012

oh, boy

a begônia brilha. é a certeza de que as flores têm o seu lugar.

Wednesday, September 26, 2012

escrevo sem rascunho.
o sentimento não tem dúvidas.
jamais hesitei ao me declarar para você.

Sunday, September 23, 2012

não tem meia verdade. ou nossas mãos estão entrelaçadas,
ou não estão.

Saturday, September 15, 2012

instruções #2

me espera na cama. esta é a hora em que não faz nem dia, nem noite. não tenho pressa,
por não ter objetivo. poderia ser eterno este momento; juro.
me espera um pouco.
quando eu chegar perto da cama vou me aproximar de uma forma inédita: te ver de perto, bem perto.
verei sua pele a uma distância tão, tão pequena, que ver será tocar. tocar será ver.
e quando não for mais noite, mas sim inquestionavelmente dia, você vai me contar o quanto nos conhecemos.

Sunday, September 9, 2012

inferioridade

procuro um degrau que me deixe exatamente à sua altura.

Monday, August 27, 2012

quero ser presenteada com o inesperado.

Tuesday, August 14, 2012

é bom ter um machucado pequeno. bem pequeno. mas que seja um machucado. pra ser cuidado.

Tuesday, June 19, 2012

trechos no percurso

Que nobreza você tem
Que seus lábios são reais
Que seus olhos vão além
Que uma noite faz o bem
E nunca mais


ludo real—c. buarque

Monday, June 18, 2012

"Se temem o contato é porque de alguma forma o amor fere. Se mesmo assim continuam buscando contato, é que o amor também cura."

m.r.k - masculino/feminino: o olhar da sedução

Sunday, June 10, 2012

adivinhar

divinare, predizer, desvendar
Ali tudo é excerto. Como aqui. Nada é finito porque toda conclusão é insabida.
Pinguei as plantas. Elas gostaram.

Friday, June 8, 2012

escuta

parada.
standing still.
estou completamente parada e me esforço para entender toda esta movimentação interna.
aqui dentro é profundo.
e é por isso que me imagino muito maior do que, de fato, sou.

Tuesday, June 5, 2012

venus

"its day takes longer than its year"

Saturday, June 2, 2012


saio da casa deixando as portas dos armários abertas. a esperança é de que os objetos inúteis animem-se, abandonem as gavetas e prateleiras e se libertem do meu apego.

Wednesday, May 30, 2012

toco as sombras
até apagar a luz nelas

Wednesday, May 23, 2012

sol de outono

desacelerou com prazer ao alcançar o pedacinho ensolarado da calçada.

Sunday, May 13, 2012

Preciso interromper nossa conversa agora. Vou pintar as unhas. Tirar este esmalte descascado e repintar as unhas. É insuportável conversar à distância, preciso interromper nossa conversa para refazer a pintura das minhas unhas.
Sou mulher com alguma vaidade. Aquela que leva um tempo para se arrumar, que troca partes de cima e de baixo da roupa antes de confirmar o look. Tenho acessórios que representam bichinhos ou ícones da sorte e faço um visual rebelde nos cabelos com o auxílio dos grampos. Grampos que perco em banheiros de tantas casas e baladas, grampinhos pretinhos.
Às vezes falo no diminutivo, pareço meiga. Noutras falo alto, procuro a atenção daquele, sentado mais além.
Enquanto o algodão umedecido com acetona absorve o esmalte vermelho, penso no dia em que você voltará a morar comigo.

Thursday, April 26, 2012

as manhãs deveriam ser ocupadas com a escrita. solta e contaminada pelo sonho — aquele que não lembro agora, mas que atravessará minha cabeça em uma fração de tempo incalculável quando você estiver na calçada, vindo em minha direção.
você virá com sua silhueta, gravada na minha memória desde o primeiro dia. primeiro dia de quê?
e desenho agora, sobre um papel cheio de anotações ilegíveis, o contorno dos seus ombros e cabelos que formam você. a única coisa que você trará com certeza, na sua caminhada até mim, é sua silhueta. e todo o resto que virá de você para mim são incertezas. me sustenta em paz o incontestável: quem vem é, definitivamente, você.
tem trilha sonora para a escrita. aquela que me deixa sensível, pertinho mesmo do choro, encostada nele. tudo que escrevo é verdade — verdade vinda dessas imagens nubladas que fizeram o sonho dessa noite, em que ele foi você e ao mesmo tempo meus pais, aquela cidade que não conheço e aquele dia, já distante, em que seu sorriso, a casa dos meus avós, uma queda de avião, o meu primo estava vivo, aquela festa em que fiquei doida, o dia em que rolamos na areia da praia no norte do brasil, enquanto eu estava grávida não temia a maternidade, o desmoronamento do prédio e uma queda, infinita, um mergulho macio nas águas que também são fogo e lama. uma matéria impossível, inventada nesse sonho.
mas a manhã é curta. tem reunião, e o equipamento da filmagem, a responsabilidade, o deslocamento e a cozinha. o fogão.
tem um pouquinho de fogo em todo dia-a-dia.

Wednesday, April 11, 2012

noite

tocamos mãos
olhamos olhos
seu lado atraente está receptivo
meu lado receptivo está atraente
estamos abertos para influenciar um ao outro

segredos

tava contando pro zeca que seu carinho é delicioso e que eu só não ronronei porque sou apenas um ser humano.

sentido da vida 13

amanhã terá sido tudo necessário.

Tuesday, March 20, 2012

aquilo que começou tá só acabando.

Friday, March 9, 2012

o nosso amor não é o único sentimento que a gente inventa.

Tuesday, March 6, 2012

reabilitação


A Plaza de la Encarnación é uma verdadeira surpresa numa caminhada casual em Sevilha. Quase um peru no pires.
Nosso retratado, representante da terceira idade sevilhena, Sr. Alfonso, acompanhou de perto a "encarnação" dessa estrutura.
A vida vinha sendo um tédio: viúvo, poucas horas de sono, canal televisivo Giralda noticiando repetidamente investimentos assombrosos da prefeitura em edifícios utilizados por pessoas que ele desconhece - além de alguns atentados políticos, filhos desinteressados em seus assuntos repetitivos por culpa da tevê Giralda e total impaciência para cuidar do passarinho, presente da filha - que resultou na doação do passarinho a uma vizinha que, aparentemente, queria provocar ciúmes a um gato de estimação. Perversidades.
Alguns anos atrás, duas novidades chegaram à casa de Alfonso. Uma, por telefone: pai, você vai ser avô. A segunda, pela tevê Giralda: o governo iniciaria mais um mega-investimento, desta vez, a dois blocos de sua casa.
Uma depois da outra, as duas novidades sacudiram o senhor para longe da poltrona da tevê.
Na primeira infância do Pepe, Alfonso não esteve muito próximo. O bebê interagia de maneira vaga e inconstante, causando desinteresse no avô.
A novidade favorita nesses primeiros anos foi mesmo a evolução daquela estrutura esquisita, aquele jogo de encaixes meio amorfo, sustentado por duas colunas gigantes, que prometia encarnar na Plaza.
Passeou todos os dias, desde as fundações da obra, pelo entorno da Plaza, questionando-se sobre a real possibilidade daquilo ser erguido e sobre até onde a soma de milhões de Euros iria chegar.
Acompanhou etapa por etapa, fundação por fundação, concretagem por concretagem, madeira por madeira, euro por euro, em caminhadas que viraram hábito diário.
Depois de 6 anos de obra minuciosamente acompanhados, a nova estrutura da Plaza ficou pronta. No dia da inauguração, Alfonso sentiu um despropósito em continuar fazendo caminhadas e previu ressurgir o tédio anterior a esta obra grandiosa e parceira. Decidiu fugir daquela inauguração que seria a comemoração do fim da sua animação diária para caminhadas. Fugiu indo visitar o filho e o neto.
Pepe, aos 6 anos. Que intessante. Falando muito, olhando atento, contando suas atividades na escolinha, explicando um jogo, perguntando sobre a vida do vovô. Que delícia seria acompanhar, dia após dia, etapa por etapa, este homenzinho...
— Então, pai, tive aquela promoção no emprego! Bom, não é? É... o Pepe que ficou chateado, não posso mais buscá-lo na escola, estou vendo com o...
— Ah! Não seja por isso! Irei todos os dias! Não se tem nada melhor a fazer mesmo nessa cidade...

...

— Pepe, o que você acha dessa nossa praça?
— Parece um abacaxi, vovô.

Decidido: um abacaxi no pires. Ao menos serviu para alguma distração.

janeiro de 2012

Monday, February 27, 2012

07.01.2011

Nem sempre é preciso preencher todas as páginas para perceber que um caderno acabou.

Thursday, February 23, 2012

escolhas choices choix

é uma escolha
aquilo que ofereço

as opções continuam dentro


it's a choice
what I offer

options are still inside


c'est un choix
ce que j'offre

les options sont encore à l'intérieur.

Thursday, February 16, 2012

if

if I needed someone to love
you're the one that I'd be thinking of

if I needed someone

if I had some more time to spend
then I guess I'd be with you my friend

if I needed someone

had you come some other day
then it might not have been like this
but you see now I'm too much in love

carve your number on my wall
and maybe you will get a call from me

if I needed someone

if I had some more time to spend
then I guess I'd be with you my friend

if I needed someone

had you come some other day
then it might not have been like this
but you see now I'm too much in love

carve your number on my wall
and maybe you will get a call from me

if I needed someone

//// george harrison

Monday, February 13, 2012

instruções

com água, sabão e uma escova macia, faça a limpeza de um objeto de frequente uso pessoal. no enxágue, observe a água que escorre, suja — ela também sái de você.

Monday, February 6, 2012

cada planta dança o som do seu vento.

Friday, January 27, 2012



pode chover o sol continuará forte.

here comes the rain the sun will keep shining.

il pleut le soleil continue.

Monday, November 21, 2011

cada planta dança o som do vento do seu jeito.

Tuesday, November 8, 2011

e vejo sempre o tal coelhinho na lua cheia.
assim, minha paixão não acaba.

Wednesday, November 2, 2011

encontro 10

lhe daria carinho, não fosse você tão rígida.
nuca à vista, em perigo; e fria.
seu jeito de ser é meu rival: me acende.

reduzo toda iniciativa que eu poderia ter a apenas admirar você.

Monday, October 31, 2011

inconveniencia

-- boa tarde. Ta fechado o salao la fora?
-- Nao. Ta molhado.
um nome diferente por dia escreverei nas costas da minha mão.
até chegar, coincidência, ao seu nome.

a different name each day I'll write on the back of my hand.
until I get, coincidence, to your name.

Saturday, October 15, 2011

uma continuação: vasos da casa

enquanto as flores do segundo morrem, ou são jogadas na lixeira acidentalmente, num momento de descuido...

o terceiro se mostra. é um caule jovem e frágil. brota de uma terra úmida, fértil.

não sei de memória o nome de nenhuma planta. por isso não posso dizer o que vai nascer dali.

de qualquer forma, alguma coisa nasceu.

Wednesday, October 5, 2011

is it real?
does it matter?

Monday, October 3, 2011

"(...) The term aesthetic is value-free and neutral. Beautiful and ugly is right at the same time, because the one can't exist without the other. In teaching it's more important to get a deeper insight into the nature of things — without wanting to make judgements about it."

fons hickmann

isbn 978-3-87439-741-4

Thursday, September 22, 2011

este blog é uma ficção

Tive dois amores. É um jeito interessante de dar introdução à minha história.
Do primeiro, fugi. Prefiro pensar nele como uma caixa de papelão cheia de bilhetes de amor —daqueles em que deixamos escapar até uma declaração de raiva.
Te odeio às vezes.
Além da caixa de papelão, o primeiro amor também são passeios de bicicleta e soneca-depois-do-almoço-na-casa-da-praia.
Te amo nas outras.

Do segundo, transbordei.

O segundo amor; penso nele como uma caixinha metálica, rasa, cheia de embalagens de bombons. E ainda uma segunda caixinha, pequena, de madeira: um bauzinho que contém pétalas de flor... qual?
Incontáveis megabytes de gracinhas e gracejos —fundos de tela, fundos dos olhos, suspiros profundos.
Foram tantas flores.

Seria bom mentir sobre mim.

Wednesday, September 14, 2011

que eu tenha sempre erros
novos


Something filled up my heart with nothing,
Someone told me not to cry.
But now that I'm older, my heart's colder,
And I can see that it's a lie.
—The Arcade Fire

Tuesday, September 6, 2011

vou deitar sobre
a cama feita —esticada
e babar sobre
a roupa dele

Saturday, August 20, 2011

(todas)

Por Querer
Marina Lima/Nico Rezende/Antonio Cicero

Sabe
Ele fez como quem não quis nada
E me pegou
Eu também quis fingir
Mas nada colou —tudo colou

E hoje
Pode ser que a gente exploda
Sem querer
Por querer
Pois com você eu sempre topo todas
Nunca é demais —todas
Pois com você eu sempre faço todas
E peço mais —todas

Sunday, August 14, 2011

encontro 9

nosso encontro parece miragem.
já nos meus sonhos,
parece verdade.

Wednesday, August 10, 2011

10.08.11 sentido da vida 12

um dilema é o VIVER
ser feliz E triste
estar sozinha E com vocês

Tuesday, August 2, 2011

o inacreditável me cale

Sunday, July 31, 2011

one good thing about music:
when it hits, you feel no pain


bob marley

Thursday, July 28, 2011

distribui-se amor

Saturday, July 23, 2011

13 anos, 2011

--' ( já que voce tem o dobro da
minha idade, terei que te explicar
que isso significa uma carinha de
saco)
traço na insônia a nossa história

Thursday, July 14, 2011

a sucessão das coisas #3

não chora agora, moça. termina seu cigarro antes.

Tuesday, July 12, 2011

mas eu não sei contar até cem.
então conta até vinte. cinco vezes.

Tuesday, June 28, 2011

encontro 8 (inexistente)

deitado em sol de inverno, todo o corpo no banco de pedra
sangue quente
se ela fizesse a pergunta que combinamos, o que você responderia?
não existo

Tuesday, May 31, 2011

casamento

era improvável, mas a paisagem virou nossa.

Saturday, May 14, 2011

encontro 7

você toca na minha perna
é quando não sinto nada

Monday, May 9, 2011

Wednesday, April 27, 2011

o problema que se encerra e simultaneamente vira outro

Monday, April 25, 2011

a convicção que nos equilibra
descarrego com tranquilidade toda minha incerteza sobre uma pedra bruta em que só se esculpe uma palavra: solidão.

feelings

sabe aquele tremelique que dá na hora do susto? o frio na espinha? a sensação de que deixou passar o que não devia... o egoísmo.
ou o outro tremelique que dá, aquele da surpresa. uma leveza. a sensação de que se fez querida no lugar certo... o encantamento.

Monday, April 11, 2011

às vezes mesmo sem intenção nem tudo
é direcionável

Wednesday, March 30, 2011

mudança

descemos à garagem, onde ele profeciou:

você vai ser muito feliz aqui!

Monday, March 28, 2011

impossível resistir a certas influências.

Sunday, March 27, 2011

te vi chorar
tanto que sequei
um copo d'água
para lembrar

Sunday, March 6, 2011

turnos

o dia não é só a noite.

personas

era raivosa. seu ódio, sua violência eram tais que se extravasavam em forma de carinho, amor.

Thursday, March 3, 2011

chove, noite são paulo

noite chove, são paulo

chove são paulo. noite

Wednesday, March 2, 2011

outro

o que me separa do outro é simplesmente nunca compreender profundamente aquilo que ele acha.

terminal

contra essa influência, cresci. como uma raiz que irrompe no asfalto, recusa o confinamento. minha vida que ia terminar, começou.

Monday, February 21, 2011

ler

chegando em seus ouvidos o burburinho da padaria lotada emudece; está só, livro aberto sobre o balcão, coluna encurvada, concentrada.
fecha o livro, ergue a cabeça: expressão de conforto, satisfação, uma alegria singela.
a hora certa de um livro é indiscutível, indisfarçável.

admirar

admirar é olhar, olhar mais.
o outro
é sempre
ele

Wednesday, February 16, 2011

reflementos:

incidentes
insinuações
instantes
indícios
intuições

impressões
imperfeições

encontro 6

— Acho que ele está sondando para ver se vou voltar com ele!
— Seria ótimo. Não aguento mais.
— O quê?
— Mentir. Não poder falar tudo.
— Mas eu não estou pedindo para você mentir.
— Vou falar o quê? "Pai, estou aqui só com a mamãe..."?
— Você pode falar "estou com minha mãe".
— Quando ele fala com você fica tudo melhor.

Sunday, January 30, 2011

tenho minha sombra e você também.

I have my shadow and you too.

Friday, January 28, 2011

procura

você?
à procura
atrás de algo, sempre. e eu espero

encontre
me

Thursday, January 27, 2011

não memorizo nome nenhum.

pois não venha me amolar com o teu.


I don't memorize any name.

so don't you dare bore me with yours.

Wednesday, January 26, 2011

já fomos

plana

coração de papel

se você pensa que meu coração é de papel
não vá pensando, pois não é
ele é igualzinho ao seu
e sofre como eu

você porém jogou ao léu
meu coração que não é de papel

(sérgio reis)

Thursday, January 6, 2011

pousando à vida.

Wednesday, January 5, 2011

sentido da vida 11

uma veia pulsa no interior do meu pulso e é para isso que vivo.

Monday, January 3, 2011

sairei com meus inimigos.
só quero ouvir mentira.
cara-a-cara.

Tuesday, December 21, 2010

amplificação



transformo minhas metáforas.
toco nelas.

Friday, December 17, 2010

olha o olho que meu olho olha

Saturday, December 4, 2010

fotografia/chão de mulher

uma roupa de mulher... não uma roupa, a minha roupa.
no chão, de mulher, ao lado da tua.

Thursday, December 2, 2010

ponto de vista

estamos todos felizes.

ou estamos todos tristes.

Thursday, November 25, 2010

é preciso organizar isto, metodologicamente. padronizar, classificar, listar.

era preciso.

uma ficção: infinita

durante a primeira cena estou boiando.

meu corpo começa a adensar
estou cada
vez
mais
densa

percebo
o
quanto
é
profundo

tão
profundo

corte seco.

Monday, November 22, 2010

enquanto isso #1

o gato inspira e expira ao ritmo da música.

Friday, November 19, 2010

sentido da vida 10

ser tudo o que foi

e será

Thursday, November 11, 2010

Prefiro verbo colado no sujeito.

Wednesday, November 10, 2010

uma ficção: enxergo você e digo adeus

Então ele pediu que eu parasse de chorar, não precisava ser tão dolorido como eu fazia parecer e me senti na obrigação de pedir desculpas. Desculpa, minha reação está fora de controle e me parece, sim, desmedida, mas ao mesmo tempo, inevitável. Não quero te impressionar, sou mesmo uma fraca. Tentei colocar voz firme nessa hora, sem vacilos, mas uma dramaticidade vergonhosa impregnava minha fala. O amor não acabou, querida, mas você há de concordar, nossa situação não vai bem.
Nessa parte eu queria dizer que eu ia pior, engrossar a novela, que me arrependia daquelas coisas que ele sabia quais eram, mas que durante a viagem e depois, não encontrava maneiras de falar a respeito. Voltaram episódios à minha lembrança e percebi pela primeira vez a quantidade de vezes em que calei, com medo de me enxergar.
Fiquei em silêncio durante um tempo exagerado. Sim, na época também, mas agora, ao telefone. Oi, desculpa de novo... viu como sou fraca, já estou chorando mais e mal consigo me expressar...
É difícil para mim também, não pense que está sendo fácil. Clara, assuma: você não é fraca. É covarde, possessiva, cínica... Tchau, querida, boa sorte, vou desligar.

Tuesday, November 9, 2010

quero magia.
mas não muito.

1/4

aos vinte e cinco anos de idade não sei se este frio na barriga é bom ou ruim.

também não tenho certeza sobre nenhuma outra coisa.
nenhumazinha mesmo.

Thursday, November 4, 2010

há felicidade leve e felicidade pesada.

there is light happinnes and heavy happiness.
isto que faço está nos seus sonhos.
pague-me.

Saturday, October 30, 2010

janela telada / netted window


eu não tinha limites.
hoje tenho. muitos.


I did not use to have limits.
now I do. a lot.

Friday, October 29, 2010

o apagão da moça

essa moça tem o problema do apagão, que é assim: está mexendo na panela, apaga e tomba a cabeça. está fazendo a unha da cliente, apaga e tomba a cabeça. está no ônibus, apaga e tomba a cabeça.
os olhos ficam abertos, mas não reage a nada. o corpo pesa.
parece que é nesses momentos de apagão que ela faz escolhas.

Thursday, October 28, 2010

Monday, October 25, 2010


noite, vinho e nós.

matz-já!




zeca

Wednesday, October 20, 2010

Quando estou trabalhando na solução de um problema, nunca penso em beleza. Penso somente em como resolver o problema. Mas quando eu termino, se a solução não for bonita, eu sei que está errada.

When I am working on a problem I never think about beauty. I only think about how to solve the problem. But when I have finished, if the solution is not beautiful, I know it is wrong.


Buckminster Fuller

Monday, October 18, 2010

versátil

versatile
magra, morena, leve, delicada. moça sutil. quer nos conhecer? qual o seu signo?

forte, alto, ombros largos, barba mal-feita. bonito. presença inconfundível.
não me interessa seu signo. não me revelará nada.

não classifico ninguém. tarefa impossível.

— ah, você sempre tem comentários sábios! vou sempre te consultar!

obrigada.

tem gente que vive acreditando que os outros estão sempre mais certos.

Sunday, October 10, 2010

memória

guardo em uma pasta tudo aquilo que não reconheço mais.
partes de mim. etiquetadas. para quê?

Friday, October 8, 2010

— Quando nos conhecemos, entendi você pelo seu cabelo.

Friday, October 1, 2010

post-it

— anna. você pensa demais.

Wednesday, September 29, 2010

estou nua. passo creme no corpo.
o gato me olha com curiosidade. sem julgamento algum.

ele tá sempre peladinho.

Thursday, September 23, 2010

sensato

senso prático
senso estético
senso comum
bom senso

Friday, September 17, 2010

crise crisis

não entre em pânico.
as coisas somente mudarão de cor.

don't panic.
things will only change colors.

Thursday, September 16, 2010

verdade de vida de cidade

toca o vídeo
que orgulho do som do vídeo está muito bem colocado verossímil ambientado que adequado!
cessa o vídeo
o som continua

cidade

Wednesday, September 15, 2010

rejeição
detona
desmoronamento de pessoa

Thursday, September 9, 2010

delay



minha velocidade é maior do que vocês pensam
ouvem meu grito
e já não estou aqui

Wednesday, September 8, 2010

ações e décadas

gritar espernear arranhar pular quebrar exagerar estilhaçar arrasar.
tudo tão anos 1990.

Wednesday, August 25, 2010

um nascimento

acho que tudo bem se ainda não sei o que dizer.
você ouve.

do amadurecimento

não há definições, mas evoluções.

há motivo

sobrevoo a linha do equador. tenho sede e a pele do meu rosto está seca.
chorar seria funcional.



no ar
16.08.2010
tudo aquilo que você não diz. eu ouço.

everything you don't say. I hear it.

washout

tem uma nuvem de poeira ao meu redor. sou parcialmente soterrada, mas consigo enxergar. e até um pouco mais longe. um vento suave me alivia, dissolve a camada de pó. uma água pura sutilmente se apresenta, num curso delicado e constante. inicia-se uma lavagem e eu sei, será completa. tipo cinco estrelas.

a cloud of dust surrounds me. I'm partially covered, but I can see. and even further. a smooth wind relieves me, dissolving the dust. a pure water subtly presents itself, in a delicate and permanent flow. it's the beginning of a washout and I know it will be total. five stars-alike.

viena | wien
12.08.2010

Saturday, August 14, 2010

calçada portuguesa

olho a calçada: pedras: muitas: velhas.
minha sombra sobre elas desliza. escorrega.
um bebê caiu. uma senhora também.
sangue. brilho.
branco e preto e vermelho.

Sunday, August 8, 2010

relevância

certas coisas perderam totalmente a importância.
muitas coisas.

outras crescem, ampliam-se, tomam uma importância do tamanho de tudo o que vejo. dominam-me.
poucas coisas.

Saturday, August 7, 2010

penso e escrevo em plurais. não hoje, hojes.
eus.
vocês.

Friday, July 30, 2010

margens

hoje caminho sorrindo.
logo eu que achava coisa de medíocres.

Monday, July 26, 2010

se eu me arruinasse, não quereria ser restaurada. muito menos fora do meu habitat.
menos ainda pelo inimigo.

if I ruined myself, I would not want to be restored. even less outside my habitat.
even less by the enemy.

Friday, July 23, 2010

sedução (seduction)

me bombardeia de imperativos. desobedecerei um a um.

bomb me with imperatives. i will disobey one by one.

Thursday, July 22, 2010

"parabéns por estar aqui"

este foi um dia que não acabou. um vôo que não saiu.
não foi um dia, mas um fato: histórico.
sem diversionismos.

Wednesday, July 21, 2010

com fábulas. sobre eu e você.

Tuesday, July 20, 2010

replace

I like looking at us somewhere we aren't.

Tuesday, July 6, 2010

a minha cabeça zune

hoje suspirei fundo. daí lembrei de você.
então peguei o metrô azul, sentei ao lado de uma jovem gótica apressada. depois peguei o metrô amarelo.
saí na estação planejada, procurando a loja de cosméticos. em seguida a uma fachada em reforma (breve: jean nouvel), veio no vento um aroma intenso, um mix de loções. estavam ali, do meu ponto de vista, todos os perfumes do mundo. então eu ia encontrar os seus perfumes: o um, o dois e o três.
eu não uso perfume. além de estarem nebulosos na minha cabeça os nomes que você dissera, descobri ali que as marcas dos perfumes que você usa, ou pelo menos o que eu lembrava serem essas marcas, fabricam muito mais do que um único aroma.
havia tirinhas de papel suficiente: borrifei dezenas de aromas em dezenas de tirinhas. os aromas mais suspeitos, borrifei para cima, para os lados e mergulhei na nuvenzinha deles. fui me contaminando de muitos cheiros, entontecendo. até que achei.
seu pescoço apareceu imediatamente na minha frente. beijei a tirinha de papel. em seguida, o frasco. não bastava, então abracei o frasco e sentei no chão do corredor da grande loja de aromas.
quando acordei, a loja estava vazia. eu tinha ficado trancada ali, caída no sono. abraçada com o frasco vazio, depois de mil borrifadas para o ar.

Sunday, July 4, 2010

não penso em nada. estou tão relaxada que sou quase irracional. sou bicho. tenho um pouco de fome, mas vai passar. nem posso me dizer feliz porque desconheço neste momento o contrário disso. não cresço, sou árvore: expando e me multiplico. penetro todos os subsolos, exploro a Terra. que me acolhe.

viajando

nos separam cinco horas e um monstro chamado Jetlag.

Tuesday, June 29, 2010

a sucessão das coisas #2

a ferida involuntária me expõe e traz consigo a promessa de um presente.

the involuntary wound makes me exposed and brings the promise of a gift.

Wednesday, June 23, 2010

intimidade

— Será que a Anna acha mais bonito "vídeo" sem acento?

quem me conhece fala coisas desse tipo.

Thursday, June 17, 2010

confusão (confusion)

o lençol
ou sua pele?

the sheet
or your skin?

Wednesday, June 16, 2010

e que aqui também: quanto mais simples, melhor.

existem somente linhas

Quando Glenn Gould acelera a execução de uma passagem não age exclusivamente como virtuose; transforma os pontos musicais em linhas, faz proliferar o conjunto.


Gilles Deleuze e Félix Guattari

Tuesday, June 15, 2010

memória

busco perceber tudo que perdi.
não busco passado.
se é memória, está aqui.

Monday, June 7, 2010

sentindo

não posso dizer que penso nele. se não está em meu corpo, não o sinto. posso dizer que não penso nisso? não posso. sinto isso, meu corpo sente. está próximo. o corpo sou eu.

tato

What shall we say of the human hand? It certainly seems no less complex or 'rich' than the eye, or than language. The hand can feel, caress, grasp, brutalize, hit, kill. The sense of touch is the discoverer of the matter.

LEFEBVRE, Henry. The Production of Space

zeca: um caçador

mais ou menos.

Saturday, June 5, 2010

mergulhar na surpresa

um cachorro parou na porta
latiu

um biscoito que eu tinha nas mãos
quebrado

o pé-de-serra, a borda-da-mata:
lua cheia

quatro superjumbos cruzam o céu no espaço
de dez minutos
piscando

na verdade ainda estou parado na porta
com um biscoito quebrado nas mãos
imaginando

imaginando o que o menino quis dizer com
“mergulhar na surpresa!”


(maurício pereira)

Friday, June 4, 2010

para onde



num calminho caminho.

Monday, May 31, 2010

essa é pra você

essa é pra você
que quiser receber.

carrego uma mochila repleta de livros sobre uma coisa só. pesada.

quero devorar tudo isso: os livros, dentro; a paisagem, fora; as pessoas, fugazes.

vejo pessoas onde não há ninguém.

é assim que vejo você: quando não está.

é assim que vou para a piscina: vazia.

capricha no salto.

maybe I am maybe I am not

I'm not ready to be complex.

Gary Hill

previsão

não há ninguém no trampolim. vejo o salto.

Friday, May 28, 2010

te observo
e você não percebe
é nesse instante
que me apaixono

o interstício

"É preciso, de fato, voltar ao jovem artista que faz renda com peixes e pimentões. Se ele prepara nossa comida diante de nós, conduzindo, de gesto em gesto, de lugar a lugar, a enguia, do viveiro ao papel branco que, para terminar, a receberá toda crivada, não é (somente) para nos tornar testemunhas da alta precisão e da pureza de sua cozinha; é porque sua atividade é literalmente gráfica: ele inscreve o alimento na matéria; sua bancada é distribuída como a mesa de um calígrafo; ele toca as substâncias como um grafista (sobretudo se ele é japonês) que alterna os potinhos, os pincéis, a pedra de tinta, a água, o papel; ele cumpre assim, na agitação do restaurante e no cruzamento dos pedidos, um escalonamento, não do tempo, mas dos tempos (os de uma gramática da tempura), torna visível a gama das práticas, recita o alimento não como uma mercadoria acabada, da qual só a perfeição teria algum valor (o que é o caso de nossas iguarias), mas como um produto cujo sentido não é final mas progressivo, esgotado, por assim dizer, quando sua produção é terminada: é você que come, mas foi ele que jogou, escreveu, produziu."

Roland Barthes, O Império dos Signos

one-way

medo de ir
e não ter volta

e só o que sei
é que não tem mesmo

volta

Tuesday, May 25, 2010

mostrar é também esconder

joguei fora armadilhas
não tem armas meu coração

Thursday, May 20, 2010

peso pesado

Uma vez que não se constitui a partir de uma obsessão em evitar a castração, a feminilidade é um modo de gozar que pode arriscar um pouco mais na direção de uma desmesura, ou seja, que aceita correr o risco de esbarrar na angústia, ou mesmos de ir um pouco além. Daí que, é claro, todo artista, seja homem ou mulher, acaba (ou começa) por saber algo a respeito da tal feminilidade.

maria rita kehl em 'o peso da feminilidade'

Wednesday, May 19, 2010

TEMPO

eu ainda não me levo a sério.

descobri a tempo.

vida-lazer




"Eu não tô em Acapulco, mas é como se estivesse."

www.viajoporquepreciso.com.br

Tuesday, May 18, 2010

anna e didi

memórias do horto

em algum lugar ficou aquele arroz que eu dividia com meus primos: queimado e grudado no fundo da panela de ferro.

Monday, May 17, 2010

apontando



algum sentido.

centro x bairro

Thursday, May 13, 2010

bate-papo

"(vc não parece "ruim pra esses textos" pq parece bem objetivo o seu entender das coisas... eu achei isso da parte que li até agora)
beijo tchau"

:p

refúgio 3




zeca sob a cristaleira, por pedro vannucchi

pressa

pressão

Tuesday, May 11, 2010

pro fundo



já estou manchada.

só resta mergulhar.

Monday, May 10, 2010

auto-imagem

acho que eu sou tipo um tronquinho de árvore.
ninguém está ali além dele. que fez esta foto. a distância entre este cinza e... aquele... é curta. neve, bota, vento, pele, nhic, nhic.

estamos a sós. estamos sós. não foi difícil olhar seus olhos, que me chamaram, descentralizados. mas depois te deixei.

outras pessoas solitárias me esperam.

faz frio e tudo ao alcance da vista é mesmo bem grande.

Tuesday, May 4, 2010

juntos



no mundo
olho-no-olho
via skype

Monday, May 3, 2010

apego

pego-a

insone

ver a morte por aqui
a partir de hoje
quero

daquele jeito que combinamos:

tranquilamente.

Thursday, April 29, 2010

Wednesday, April 28, 2010

dos males, o menor

antes antes do que depois.

Tuesday, April 27, 2010

sonho

sonho
com as pessoas que não me veem mais
conto
os seus segredos pra alguém
qualquer que vem atrás

de me conhecer
investigar

o que foi que eu virei
onde foi que cheguei
onde é que estou

aonde vou?
aonde vou?

sonho
com as pessoas que nunca mais vi
conto
os detalhes pra alguém
qualquer que me lembrar

seu rosto
quando me olhava

o que foi que deixei
onde foi que esqueci
quando é que lembrei

daqui
daqui

Monday, April 26, 2010

leonilson

são tantas as verdades.
mais um draft.

Sunday, April 25, 2010

cái a ficha

e vejo que tudo é muito difícil
porque gosto de vocês.

sensibilidade

você em mim.
se estou te lendo? quero essa parte da pele onde termina a gola da blusa.
no final da roupa.
seu lábio em mim. os lábios. lembrança da aspereza macia no contato: pele sensível.
não me sinto. sou leve. não sei o que visto, o que tenho obrigação de fazer.
você não está, mas estou: calma.
você não estará, estarei: aqui.

Thursday, April 22, 2010

arquivo: 1988



momentos.

Le tourbillon

Elle avait des bagues à chaque doigt,
Des tas de bracelets autour des poignets,
Et puis elle chantait avec une voix
Qui sitôt m'enjôla

Elle avait des yeux, des yeux d'opale
Qui m'fascinaient, qui m'fascinaient,
Y avait l'ovale d'son visage pâle
De femme fatale qui m'fut fatal {x2}

On s'est connus, on s'est reconnus,
On s'est perdus de vue, on s'est r'perdus d'vue
On s'est retrouvés, on s'est réchauffés
Puis on s'est séparés

Chacun pour soi est reparti
Dans l'tourbillon de la vie
Je l'ai revue un soir, aïe, aïe, aïe !
Ça fait déjà un fameux bail {x2}

Au son des banjos, je l'ai reconnu
Ce curieux sourire qui m'avait tant plu
Sa voix si fatale, son beau visage pâle
M'émurent plus que jamais

Je me suis soûlé en l'écoutant
L'alcool fait oublier le temps
Je me suis réveillé en sentant
Des baisers sur mon front brûlant {x2}

On s'est connus, on s'est reconnus,
On s'est perdus de vue, on s'est r'perdus de vue,
On s'est retrouvés, on s'est séparés
Puis on s'est réchauffés

Chacun pour soi est reparti
Dans l'tourbillon de la vie
Je l'ai revue un soir ah la la
Elle est retombée dans mes bras {x2}

Quand on s'est connus,
Quand on s'est reconnus,
Pourquoi s'perdre de vue,
Se reperdre de vue ?
Quand on s'est retrouvés,
Quand on s'est réchauffés,
Pourquoi se séparer ?

Alors tous deux, on est repartis
Dans l'tourbillon de la vie
On a continué à tourner
Tous les deux enlacés {x3}


(Serge Rezvani sob pseudônimo de Cyrus Bassiak)

Wednesday, April 21, 2010

desabafo

coisas me fizeram mal. nada profundo, grande, nem grave. mas hoje não me escutei. virei galho de enxurrada. fui, fui, fui. pra onde?
me atordoei. raiva mesmo, de mim mesma. onde eu estava com os ouvidos que não me ouvi?
mereci esse desfecho. terminei a noite fugitiva do que eu mesma escolhi e face a um desabafo indesejável.
limites mentais.
ao menos, já escovei os dentes.

Tuesday, April 20, 2010

expira

quando não funciona mais, já funcionou muito.

Monday, April 19, 2010

declaração

o que a obssessiona é uma declaração.

Thursday, April 15, 2010

companhia

buscando algo que já teve, há coisas que a boca não consegue dizer.

Friday, April 9, 2010

vem cá



zeca com quase um ano de idade.

Sunday, April 4, 2010

Thursday, April 1, 2010

1º de abril

o melhor é o que estou vivendo: agora. calça confortável, animal de companhia macio e carinhoso, amiga disponível, chocolate nem-tão-doce-nem-tão-amargo, sitcom engraçado, duvet macio, brisa. o único futuro é amanhã de manhã: sair pra passear. o único passado é ter acabado de trancar a porta, deitado e rolado sobre o chão duro da sala, ao lado do zeca.

Sunday, March 28, 2010

mágica

criança em espetáculo com video-cenário:

"gostei dessa parede onde aparecem coisas"

Friday, March 26, 2010

hiper-realidade

estou sobre você.

você está de óculos escuros, mas vejo seus olhos. mel. sorri:

— Estou com vontade de chorar. Mas estou muito mais feliz do que com essa vontade.
— Pode chorar.
— Não quero.

fúria

insensibilidade mata.

mais que insônia. juro.

Tuesday, March 23, 2010

a sucessão das coisas

"mas, assim, hoje eu durmo. aí amanhã eu acordo."

Sunday, March 21, 2010

Saturday, March 20, 2010

há possibilidades para tudo isso

eu acho que nada é descartável.
e tudo pode ser.

encontro 5

olha, queria dizer umas coisas, nem sei se... quer dizer, eu sei que provavelmente você não quer ouvir mesmo... mas faz mais de uma semana...

não, falaí, encana não!

ah, tem certeza? é que, vai, me precipitei já uma vez e... olha, é assim: desculpa, me empolguei. acho que forcei... mas a verdade...

é, talvez... mas é que eu também...

você nada, desculpa mesmo, eu... agora devo estar forçando de novo, mas não via outro jeito.

não tem outro jeito agora, mesmo.

deixa pra depois, né?

u-hum. ou não deixa.

Friday, March 19, 2010

transformação

existem algumas annas que não conheço.

parece mesmo aquilo que você disse: eu estava do avesso.

usei uns espelhos, uns retrovisores e uns pretextos pra finalmente sair desse contexto.

nem precisei mudar de endereço.

isso faz algumas horas. nem mais nem menos.

Monday, March 8, 2010

extra-terreno

mas ultimamente eu tenho tentado imaginar gente de outro mundo. tipo, sei lá, um veterinário?

Saturday, March 6, 2010

invenção

as imagens que crio
a minha própria imagem

Saturday, February 27, 2010

cíclico




eu me reapaixono.

e amo isso.

Thursday, February 25, 2010

essencial

foi um assalto violento à casa. uma destruição. e poderia se repetir.
não era o caso de habitar mais nem um minuto aquele lugar.
não, não dá tempo de empacotar as coisas. escolhe uma ou outra. e não volta aqui nunca mais.

minha original jacket collection: glenn gould plays bach, meu casaco colorido listrado. e só.

Wednesday, February 17, 2010

sentido da vida 9

faço isso por pura necessidade. e espero que não sirva pra nada.

Sunday, February 14, 2010

vqq 2010

entra bicha, entra homem
entra véia, entra mulher

Monday, February 8, 2010

para pedro pedro para

as amizades coloridas vão mudar a minha vida.

Friday, February 5, 2010

Wednesday, February 3, 2010

despertar

acordo e lembro do sonho.
não.
não existe essa adição.

acordo lembrando do sonho.
quase consciente.

massageio a cabeça e o
sonho se espalha.
espreguiço e o
sonho se dilui.

vira realidade.

Tuesday, February 2, 2010

Thursday, January 28, 2010

eu

mereço!

Wednesday, January 27, 2010

equilíbrio

Em que pé estou?

Monday, January 25, 2010

I never give you my pillow
I only send you my invitation
And in the middle of the celebrations, I break down

Thursday, January 21, 2010

08/08/2008

Nao precisa pedir
desculpa, nunca.
Beijos!

Tuesday, January 19, 2010

percepção

o gato ficou maluco com música pop japonesa.

2009::2010 #2



Monday, January 18, 2010

 
Site Meter